segunda-feira, novembro 19, 2012

IMPERFEIÇÃO (18/11/2012)



                                
Os sorrisos são infelizes e os choros transbordam em contentamentos
As verdades transitam em seres falsos e as mentiras em frases verdadeiras
Os prazeres vasculham toda a casa em passos desanimados e lentos  
O amor sem escrúpulos nasceu em um oceano imerso às gélidas fogueiras.

Os pecadores de alma limpa vivem serenos e avessos aos plausíveis pecados
Os ladrões esbanjam bondade em meio à compaixão e atos perfeitos
A sinceridade reina irretocável em um lago intransparente com seres dissimulados
A prestigiada amizade te socorre em mãos falsas e engrandece os teus defeitos.

As loucuras coerentes discursam em mentes sanas e convencem em suas ideias
A solidão de bem com a vida está à vontade na piscina repleta de amizades
A coerência se afoga em perturbações incoerentes e diz frases sem nexo à plateia
Reclusas e sem brilho algum em teus olhos tristes as depressivas vaidades.

A fraqueza distribui energia e as doenças sorriem pelo hospital desenvoltas
A pobreza reside em luxuosas mansões e os ricos pedem abundantes esmolas
Os oceanos viraram regatos e estão levando às famílias suas míseras gotas
A liberdade em prisão perpétua foi trancafiada dentro de infinitas gaiolas.

Os segundos são eternos no transcorrer intransponível de um instante
Os anos tornam-se séculos aos olhos de idosos que não enxergam
A humildade com sorriso cínico transpira arrogância em orgulhoso semblante
Os desejos nascem frios no lago demasiadamente frígido que navegam.

As preocupações excessivas amanhecem de braços cruzados e indiferentes
Os leigos são intelectos com seus livros nas mãos em uma terra ignorada
Os valentes não saem de casa por causa das pernas trêmulas e medos latentes
E a coragem em homens inseguros e covardes é visivelmente notada.

A pureza em trajes imundos foi esquecida às mínguas nas ruínas de uma igreja
A destreza aos tropeços e embaraços perambula afoita sem saber como agir
No obscuro existem luzes clareando um vazio preenchido na alma que peleja
E na multidão de apenas um homem, palavras estagnadas bem na hora de partir.

A grandeza é tão pequena e acanhada, que nem a vejo em meu quintal chegar
A serenidade das injúrias contentam os impensáveis e concretos pensamentos
A calmaria em minha vida permanece impaciente nas profundezas rasas do olhar 
E a minha felicidade reina por ruas infelizes em dias de escuridão e tormentos.
                             http://alexmenegueli.blogspot.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário