segunda-feira, junho 25, 2012

LIBERTO (20/04/04)


Liberto das correntes sujas e enferrujadas
Naquele porão apodrecido e escuro
As traças e ratos me faziam companhia
E a noite como testemunha de meus sussuros.

Liberto das armadilhas de meu passado
Onde as dores existiam a cada dia sofrido
A angústia me dominava aos pouquinhos
E o vazio cruel me deixava adormecido.

Liberto dos invernos tristes e duvidosos
Em que os passos mais certos me levavam a mentir
O que apenas queria era ser um pouco mais feliz
Num lugar em que pudesse ao menos sorrir.

Liberto das depressões momentâneas e malígnas
As quais me jogavam num precipício sem fim
Me faziam acreditar num mundo descolorido
E a felicidade era apenas um milagre para mim.

Liberto das sensações negativas e impiedosas
E correto em afirmar a alegria agora em minha alma
Cuja tristeza profunda me deixou em poucos dias
Dando espaço para um amor existente que me acalma.
         Alexsandro Menegueli Ferreira

Nenhum comentário:

Postar um comentário