segunda-feira, junho 25, 2012

ETERNO AFETO (08/08/04)

Cigarras cantam afoitas pela extensa madrugada
Mariposas adormecem ao lado de uma roseira
Formigas atravessam em sincronia a velha estrada
Rãs saltitam contentes pelo brejo a noite inteira.

O suposto silêncio me deixa tão leve nesse momento
Não consigo por um instante ver sinais de dor
Estou em um lugar onde o ódio permanece isento
Sou tomado por sensações que me aproximam do amor.

Lá fora como eu falei, os insetos vivem a tua história
Me fazendo refletir, como é bom a gente viver
Deixando marcado para sempre em nossa vasta memória
A complexidade relevante da manhã, do anoitecer...

Enquanto estou a analisar esta noite estupenda e rara
Em sonhos, minha única vida, segue tão perto!
Permanece deitada no leito azul que a ampara
Protegida por meus olhos, meus ouvidos, e o meu eterno afeto.
        Alexsandro Menegueli Ferreira

                      

Nenhum comentário:

Postar um comentário