segunda-feira, fevereiro 24, 2014

FIM - 01/02/2014

Encontro-me à sua frente, muito exausto por conta das inúmeras batalhas no qual fui sempre o perdedor. Estou infeliz, sem válvula de escape em quaisquer horizontes por onde os meus olhos cruzem. Estou trêmulo perante a figura estarrecedora que tu és! De maneira drástica, vou aguardando a chegada pontual das horrendas dores. Talvez, sobre as pétalas de diversas flores, deleitar-me-ei sem qualquer esforço nos sepulcros espalhados pelo meu quintal hostil. Num estado totalmente febril, sinto-a fria como gelo, e absolutamente segura de seus incisivos atos. Flerta-me desde os meus primeiros minutos de vida. Invade os meus pensamentos com toda autonomia que lhe é de direito. Crava as unhas mortíferas em meu frágil peito, e vai traçando os caminhos incertos que devo prosseguir. A Senhora é realmente dona desse espaço indistinguível, e com a sua arma sangrenta e terrível; vai dilacerando as nossas vontades e impossibilitando os bons sonhos. De repente tudo se finda; e não mais temos aquela tarde harmoniosa e linda. Não há subterfúgio! Todos malfeitores podem nos ver sem nenhum tipo de camuflagem. Fomos obrigados a embarcar nessa ardilosa viagem, e não haverá mais volta.

Um comentário:

  1. Adorei seus textos!!!! Fortes!!!! Onde encontro seus livros?
    Abraços,
    Gi amor

    ResponderExcluir