segunda-feira, junho 25, 2012

ALEGRIA (01/10/02)



                 
Saiu sem dizer nada,deixou-me em fiapos
Sequer olhou para trás,foi-se deixando os trapos
Correu para o lado errado,disposta a contrariar
Passou por cima do muro,nem sequer quis me olhar.

Lutei,mas foi em vão,sem chances dela vir
Muito longe se destina,não hei de resistir
Abandono é o meu castigo,eu passo e todos haverão de passar
Uma certeza eu tenho:A vida é assim mesmo e sempre será.

Enquanto estou sem ela,difícil é me encontrar
Os afazeres ficam sem graça,penso até em me calar
As paredes de meu quarto,tornam-se sem ela ruínas
Nuvens negras me rodeiam,quando só pelas esquinas.

Fonte imensa de prazer,importância sem igual para gente
É um sonho perfeito,que ilumina a nossa frente
Um oásis no deserto,um parque raro de diversões
Muitos nunca a sentiram,mas quando chega,libérta-nos dos porões.
                     Alexsandro Menegueli Ferreira

Nenhum comentário:

Postar um comentário