quinta-feira, março 01, 2018

TEMÍVEL ESCURIDÃO 23-02-2018



Havia somente a estrada com os postes de luz à espreita
E as noites totalmente longas com as lágrimas de desespero
A sua vida já não valia muito e a dama negra se aproximava
O caminho estava traçado, mas a coragem é o que lhe faltava.

As estrelas cintilavam belas num céu limpo nesse mês tão cinza

Muitos sorrisos se ouviam na rua pacata próxima ao portão
Muitas conversas despretensiosas entre tantas pessoas à piscina
Atrás de tudo isso ele avistava com desprazer a temível escuridão.

A mente estava confusa e a ausência deles era gélida, mortal

O vazio era insuportável e pra ele tudo era desconexo, estranho
Os convites chegavam e se perdiam no desânimo tão característico
Nada fazia sentido agora e o raciocínio era algo confuso e abissal.

Onde estão os carinhos e a presença que ele não mais vê como antes?

Por que tirou o que mais o fazia sorrir nas manhãs, desprezível destino?
Ainda jovem, mas sem forças pra seguir pelo percurso, continuar
São só cinzas em suas turvas vistas defronte ao imenso e finito mar.

Ele conta os dias para tê-los novamente na antiga casa de pilares fortes

Pois a dor já não se esconde nesse ambiente melancólico e tão hostil
Ele olha pela janela à tarde e enxerga com esforço a utópica esperança
De certa forma isso abranda o seu estado crítico, doente e febril.

O abismo ainda está nele e o tempo infinito aos poucos transcorre

Há verdades que machucam muito que não consegue mais digerir
O rio calmo de antes virou um oceano de muito rancor e amargura
Não há mãos a te socorrer mesmo que tanto peça, ordene ou implore.

Aos seus olhos as imagens boas são somente vastas e esquecidas ruínas

Há tristezas espalhadas pelos cômodos humildes, frios, empoeirados
Ainda procura nas multidões alguma mísera luz que lhe traga conforto
Resquícios de interação pra não se sentir tão vazio e às vezes morto.

Soluços e gritos internos são algo absolutamente corriqueiro e normal

Quem há de suportar os conflitos que geram discórdias e depressões?
Vê abismos incontáveis e sombras grandes nas paredes amareladas
Transtornos que se sucedem em meio ao extenso e depressivo matagal.

Em seus pensamentos o fim surge de forma bem nítida e destemida

Mas a desistência ainda grita forte em sua mente indecisa e deteriorada
A arma foi escolhida e espera apenas pelos dias negros que virão
A matéria dispersa se juntará ao monstro dócil e inocivo do nada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário