sexta-feira, fevereiro 22, 2013

PRISÃO ABSTRATA (21/02/2013)


Em cima da grande mesa a última vela se apagou
A escuridão dilacerante mostrou a sua horrenda face
A tristeza tão imunda pelas costas me agarrou
Por suas melancólicas mãos fui jogado em eterno cárcere.

Nesta prisão de celas invisíveis e totalmente abstrata
Em ruas movimentadas eu sigo totalmente só
O coração em pânico se apavora, e a alma triste constata
Um homem imerso em dor, e na garganta um terrível nó.

Ouço passos cadenciados bem atrás da modesta porta
Pela janela entre aberta eu observo trêmulo a depressão
A vontade de viver cai estática e quase morta
Ajoelho sobre o assoalho em ofegante respiração.

O meu corpo segue apático por essa longa noite afora
Entre vielas frias e escuras eu caminho sem qualquer destino
Avisto cinzas bem dispersas onde reinava uma linda flora
Vincos profundos e intermináveis no rosto de um pálido menino.

Ando pelas praças à procura da alegria, mas o que vejo são destroços
Os sorrisos por todas as partes correm soberbos mantendo a distância
Um pouco à frente nas sujas calçadas, um amontoado de fracos ossos
Sinto um odor apavorante! A morte em sua conhecida fragrância.
                  http://alexmenegueli.blogspot.com.br/

2 comentários:

  1. Textos que emocionam...calam fundo. Um blog que verdadeiramente encanta, parabéns!
    abraços..

    ResponderExcluir
  2. "Nesta prisão de celas invisíveis e totalmente abstrata
    Em ruas movimentadas eu sigo totalmente só."
    Conseguiu me descrever perfeitamente. Gostei muito do teu blog e teus textos. São bem escritos, inspiradores e se encaixam em muitas coisas em mim. Parabéns, Alexsandro!

    ResponderExcluir