sábado, dezembro 08, 2012

DESTRUIDORA (08/12/2012)

                                                                                                    
        Ele passa dez horas por dia atrás da mesa do escritório, compenetrado nas obrigações impostas pelos seus superiores. Sai esgotado de mais um dia árduo, mais segue contente para a sua casa, ao encontro de sua estimável família. Meses se passam. Ele é promovido. E o seu salário aumenta consideravelmente. Felicíssimo como jamais estivera, chega mais cedo em casa. Abre repentinamente a porta da sala. Entra com um enorme sorriso em sua face, e abraça a esposa e filhos com demasiada emoção, contando-lhes a grande notícia do dia!

        Numa manhã, em seu dia de folga, resolve ir até a concessionária mais próxima. Efetua a compra de um belo carro do ano. As coisas fluem de forma satisfatória em seu emprego, devido ao exemplar e persistente funcionário que sempre fora. Depois de mais quatro meses, torna-se gerente de Markenting. Compra um veículo de presente para a esposa. Dois terrenos em um bairro nobre da cidade, e um apartamento à beira mar.

        Os filhos satisfeitos, desenvolvem-se em colégios particulares. Um pai dedicado, que somente pensa no conforto e bem estar de sua linhagem. Em uma roda amigos, alguém convida-o para visitar a sua igreja. Ele sempre fora católico não praticante, e diz que talvez faça uma  visita futuramente. Passam-se vários dias. Ele resolve ir ao mosteiro que fora indicado. Frequenta quase todos os domingos pela manhã com a sua esposa e filhos. Com o passar do tempo, começa a participar assiduamente, em pelo menos cinco vezes por semana.
   
       Fidelíssimo ao dízimo, sempre se compromete a entregar aos pastores, sem que jamais deixe de cumprir com a obrigação. As ofertas cada vez maiores vem gradativamente com o tempo, conforme as promessas ( De bens materiais, sucesso financeiro, saúde impecável e um cantinho no paraíso) vão sendo ditas por bocas que se intitulam santas. Chora feito criança à frente do altar, onde se instala um jovem pastor, que carrega a bíblia entre as mãos e esbraveja palavras que penetram como raios, os ouvidos dos milhares que ali estão. Invadem sem resistência, as mentes inseguras e submissas.
    
       Oferta com os olhos fechados, o seu único carro em um dos cultos de terça- feira. A esposa à espera da salvação, também segue os seus passos, abrindo mão do automóvel. A cada culto que assiste, vai sendo conduzido por arrebatadoras palavras. Ao seu lado, ouve-se um indivíduo gritando com lágrimas nos olhos, e ofertando tudo que possui em um dos teus bolsos da bermuda. Mais ao centro, percebe-se uma senhora muito bem vestida, ofertando todo o seu salário. Ele vive e sente aquilo! O seu corpo treme, mas não de frio. Em um ato de pura loucura ( Também denominado como fé), acaba ofertando o seu lindo apartamento à beira mar. Não importa! Segundo às escrituras, ele será recompensado depois que o ceifeiro entrar em seu recanto.

       Nove anos se passaram como em um piscar de olhos. Ele foi demitido de sua Empresa. Faltou muitos dias, para estar presente aos diversos cultos espalhados por toda a semana. Os carinhos demasiados com os filhos, foram transferidos para um outro ser, que jamais mostrou a face. Segue firme em sua religião. Pega duas conduções para o novo trabalho de obreiro em seu templo. Mora de aluguel em um sobrado no subúrbio da cidade. A esposa cuida dos afazeres domésticos. A filha de catorze anos, cursa o primeiro colegial, em uma instituição pública de péssima qualidade. O filho de dezessete anos, levanta às quatro da matina para ir trabalhar de ajudante de pedreiro.  Quase todo o seu salário, destina-se a quitar parte do aluguel, e a pagar a sua mensalidade na Universidade.
 
A instituição religiosa na qual o pai segue, construiu nesse período, milhares de igrejas pelo o mundo afora. O pai, a mulher, e os dois filhos, vivem a sua triste rotina em uma diminuta casa, com seus móveis simplórios. Mesa pouco farta. Contas atrasadas de água, luz...  E mesmo que o declínio na vida desse chefe de casa, seja visível e quase palpável: Ainda assim, ele continua ofertando tudo o que tem, impulsionado pelas mãos incoerentes e injustas da destruidora fé.
                                       http://alexmenegueli.blogspot.com.br/

     


Nenhum comentário:

Postar um comentário